A bola da vez é o continente Africano, mas você conhece Fela Kuti, este africano porra louco?

O mundo curva-se diante de um continente - Desta  vez o africano. Logo será a vez do Brasil. Bom, mas o que rola por lá (culturalmente), além é claro, da dita cuja,“a bola”. 

Imagem google
Nas minhas pesquisas, me deparei com o criador do afro beat. Um porra louco nigeriano chamado Olufela Olusegum Olunditun Ransome-Kuti(1938/1997), ou simplesmente Fela Kuti.  

O controverso e polêmico músico africano é tão importante musicalmente quanto Bob Marley, mas não alcançou e nem quis a status de popstar. Criador do afro beat, a contraparte africana de reggae.


Em uma entrevista ao jornal The Guardian, Paul MaCartney falando do show de Fela Kuti, desse ter sido:  “A  melhor banda que já vi ao vivo... depois de longa, maluca, introdução, eu não conseguia parar de chorar de emoção".

Vários artista estrangeiros ficaram fascinados pela música de Fela, dentre eles James Brown e Gilberto Gil, a quem conheceu em 1977, em sua turnê africana do álbum Refavela. Como a maiorias dos artistas, Fela era egocêntrico, intransigente, radical, desconcertante, intrigante, polêmico. São tantos adjetivos. Para mim, um porra louco mesmo, a ponto de gravar músicas com 60 minutos de duração.

Nascido numa família de classe média alta, Fela estudou no Trinity College of Music, em Londres. Ele não se considerava um músico pop. Seu ídolo era Handel, e dizia que o que fazia era música africana clássica.

Fela Kuti entrou para política, fez amizade com Malcom X, que o influenciou a politizar sua música.  A música "Gentleman" foi umas das primeiras, na qual criticava o hábitos de vestir europeu adotados pelo africanos, incompatível como clima do continente.

Fela foi preso, morou numa comuna, casou-se, numa só cerimônia com, com 27 mulheres, depois se separou, pouco tempo depois. Foi preso novamente. Recebia as visitas usando, apenas, sunga vermelha. Dizia não acreditar na AIDS, porém morreu, aos 58 anos, de complicações advindas da síndrome.

O interesse pelo afro beat, hoje, é, nos Estados Unidos e Europa, maior do que quando Fela Kuti estava vivo. Aqui, no Brasil, atualmente temos a Nação Zumbi influenciada pela música  magistral de Fela Kuti.

Nunca é tarde para conhecer Fela Kuti.


Fonte: artigo de José Teles, continente janeiro de 2006