José Régio: Cântico Negro


Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos  
                                                   [doces      
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia
                                          [inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...

Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite  
                                                                  [escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
 Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!  



                                
(José Régio)


O poema Cântico Negro, pertence à Presença, em que predomina a preocupação com o psicologismo: as questões íntimas do eu e também com o rompimento do passado. 

Para caracterizá-lo dessa forma, justificamos com alguns elementos do próprio poema.Você pode discordar, é claro.

Podemos perceber as questões  íntimas do eu e o rompimento do passado, quando o eu individual rebela-se contra dependência e o comprometimento vividos na época, perante o convite para seguir as normas literárias e ideológicas ("Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos [doces/Estendendo-me os braços, e seguros/De que seria bom que eu os ouvisse). 

O posicionamento do eu conduz à afirmação de sua individualidade e sua insubordinação, ao recusar o convite para seguir a coletividade (Eu olho-os com olhos lassos,/(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)/E cruzo os braços,/E nunca vou por ali...).

Também vemos que o eu lírico confirma as posições defendidas pelos presencistas ao colocar que "Se vim ao mundo, foi/Só para desflorar florestas virgens,/E desenhar meus próprios pés na areia [inexplorada!". 

Para os presencistas, "a verdadeira arte é aquela que resulta da expressão vital do artista, transfigurada por este em expressão artística, revelando, deste modo, os sentimentos mais profundos e sinceros do criador, e transformando-os em sentimentos universais, compreendidos por todos os homens" (CACHADA, 2000, p.6). 

Desflorar florestas virgens pode ser interpretado como os sentimentos mais profundos e sinceros, ou seja, algo individual e autoral, que cada autor deve imprimir à sua obra. O eu lírico rebelado não aceita o passado "Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,/E vós amais o que é fácil!/Ninguém me diga: "vem por aqui"!/A minha vida é um vendaval que se soltou".

Ainda vemos que, além do um eu íntimo rebelado contra os comportamentos sociais e acadêmico e a favor da manifestação do autêntico, verdadeiro e original, há também um eu íntimo com dúvidas, que não sabe para onde, nem por onde vai (Não sei por onde vou,/Não sei para onde vou/- Sei que não vou por aí!). São cargas dramáticas devidos aos conflitos interiores (Eu tenho a minha Loucura !/Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura).

Paulo Gracindo declama "Cântico Negro". 




Referências

CACHADA, Lucinda Maria Miranda. Metamorfoses de narciso na poesia de josé régio. Disponível em: < http://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/30140/2/3284TM01P000078377.pdf>. Acesso em: 23 de out. de 2013. 

0 comentários:

Postar um comentário