Resenha | A Aposta | Rachel Van Dyken | Suma das letras

Título: A Aposta
Autor(a): Rachel Van Dyken
Editora: Suma das letras
Páginas: 286
ISBN:978858105220-5

Sinopse: Kacey deveria ter fugido assim que ouviu essas palavras do milionário Jake Titus. O amigo de infância que Kacey não via há anos é hoje um dos homens mais poderosos e cobiçados de Seattle. E ele precisa de um favor dela: que ela finja ser sua noiva em uma viagem para visitar a avó Nadine, que está muito doente. Kacey aceita sem hesitar, afinal, o que poderia acontecer em apenas quatro dias? Mas o que ela não esperava era reencontrar Travis, o irmão mais velho de Jake, Quando mais novo, ele adorava perturbar Kacey: já incendiou uma boneca, colocou uma cobra em seu saco de dormir. Por isso, recebeu dela o apelido de “Satã”. Mas depois de tantos anos, Kacey se vê diante de um homem lindo, por quem se apaixona no momento em que vê o seu sorriso. O que ela não sabe, no entanto, é que os dois irmãos haviam feito uma aposta quando eram meninos: quem se casasse com Kacey receberia um milhão de dólares. Em “A Aposta”, da autora best-seller do New York Times Rachel Van Dyken, Kacey terá que descobrir qual dos irmãos é o cara certo e fazer sua escolha. Essa é a única certeza que lhe resta.

Travis, Jake e Kacey foram amigos de infância, sempre compartilharam tudo. A pequena Kacey era o alvo de Travis, que sempre fazia a pobre garota chorar, colocando-a nas situações mais inusitadas. Jake, o irmão mais novo de Travis, protegia a garota da forma que podia, mesmo tirando brincadeiras com a sua amiga, era ele quem a consolava quando Travis magoava o seu coração. Os anos se passaram, e as as grandes decisões da vida vieram, como a universidade, novos amigos, novos estilos.


“Às vezes, quando a vida fica difícil e as pessoas te deixam com raiva ou mesmo quando você está com medo, a melhor resposta é rir. Rir na cara do medo, na cara do que te assusta mais. É o púnico jeito de você superar as coisas que te fazem chorar.”


Nem mesmo a correria do dia a dia era capaz de separar aqueles três, exceto aquela noite, aquele dia... Jake e Kacey estavam muito próximos, isso porque Jake queria o melhor para Kacey. Não seria qualquer cara que podia tomá-la e magoa-lá. Ele tentou de tudo mas não conseguiu, por um breve momento, eles se entregaram um para o outro. Uma ilusão que durou apenas uma noite, bastou o dia amanhecer para Jake dá o fora, e não explicar nada para Kacey. Isso deixou ela muito irritada. O ódio tomou conta e fez com que essa amizade não mais existisse.

Anos depois, o mulherengo, canalha e bilionário, Jake, está em uma grande furada. Ele não tem mais a quem recorrer. Sem ter saída ele busca informações sobre e Kacey e a encontra. Os dois se encontram e conversam, Jake abre o jogo e pede um favor para a sua ex melhor amiga. Ela ainda está magoada, e o seu dinheiro não apagaria o que ele fez, todos os anos sem notícias e sem nehum pedido de desculpas?! Será que Kacey irá aceitar o que Jake lhe propusera? Ainda existia sentimento entre eles?

A aposta é um romance clichê que nos engana muito, tanto pela capa quanto pelo título. Isso porque a estória entre um triângulo amoroso, onde dois irmãos, um mocinho e outro badboy, disputam o coração da sua donzela, chega a ser previsível. Fiquei um tanto irritada no inicio e pensei em desistir da leitura. Até que em um determinado capítulo, os segredos começaram a aparecer. Rachel Van Dyken nos surpreende quando descobrimos quem é o verdadeiro mocinho e que todas as coisas que ele fez, nada mais era que conquistar o coração da sua Kacey.

Por outro lado, o esfriamento dessa amizade que perdurou por anos, não diminuiu o sentimento que ele tinha por ela. Nesse exato momento comecei a mudar minha opinião a respeito da estória que virou minha cabeça em segundos e me surpreendeu. O livro é fofo e contagiante e não precisou apelar por cenas eróticas para prender o leitor, pelo contrário, a escrita da autora é leve e despretensiosa, fazendo com que nos apaixonemos pelos personagens que outrora tinha apenas o nosso ódio.

Personagens como Jake, canalhas e mulherengos nos fazem refletir sobre os homens cafajestes por aí a fora, mas que são essenciais para aproximar pessoas que menos imaginamos. Travis é o terror para Kacey, ela sempre fora o alvo dele, e quando ela sabe que vai ter que reencontrá-lo chega a querer desistir. Um triângulo cheio de amor e ódio que nos leva a dar boas risadas e também arranca lágrimas dos nossos olhos. Não apenas romance, a Rachel também coloca um drama familiar, em que os dois irmãos tanto tempo separados, agora tem a chance de reconciliação. Com boas risadas, podemos notar que a Vovó desses caras, com mais de oitenta anos, ainda não quer morrer sem que eles se entendam. E com tudo isso, Kacey tem também a chance se reencontrar e superar o seu maior medo.

“A vida toda. Quantas pessoas poderiam dizer isso de fato? Que, pela vida toda, nunca tiveram dúvidas de quem era a única pessoa com quem queriam passar a eternidade. Ela. Sempre fora ela. E ele ia lhe mostrar o quanto a amava.”

Sobre a diagramação, a suma das letras caprichou nas folhas amareladas, uma revisão impecável e uma fonte adorável para realizar a leitura em qualquer hora do dia. Sobre a capa e o título tenho que confessar que me senti enganada, mas que no final valeu à pena. O romance ora clichê e previsível passou a ser contagiante, leve e despretensioso. Essa leitura é agradável e leve, para se ler em uma tarde, ou em uma manhã no campo. A recomendação vai para os que gostam de um romance clichê sem ter a noção do que a autora reservou para o final, que é digno de um “ felizes para sempre.”


 “Desejar que alguém seja diferente só porque você não concorda com a pessoa que esse alguém se tornou?”

0 comentários:

Postar um comentário