Resenha || Fragmentados | Neal Shusterman | Novo Conceito


Fragmentados

Neal Shusterman

Título Original: Unwind
Editora: Novo Conceito
Número de Páginas: 320
Ano: 2015
Avaliação: ★★★
* Livro cedido em parceria da NC
Sinopse: Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria. Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.
Fragmentados é um livro distópico, lançamento da Editora Novo Conceito, primeiro volume de uma série de mesmo nome, com quatro livros e um intermediário. Eu estava super ansiosa para conferir essa leitura, pois o gênero ditópico é um dos meus preferidos. Além disso, o livro aborda um tema atual e muito polêmico: o aborto, direitos reprodutivos

Em Fragmentos, não temos um super vírus que, geralmente, mata metade da humanidade. Ou algo oculto que só será revelado ao longo da narrativa.  Não, nada disso. Mas houve uma guerra, sim, chamada de Segunda Guerra Civil, popularmente conhecida como Guerra de Heartland.

Essa guerra foi decorrente de problemas relacionado ao fato das pessoas não discernirem o que era certo e o que era errado em relação à vida humana, os direitos repordutivos. Então, iniciou-se uma guerra com duas ideologias em conflito: os Pró-Vida e Pró-Escolha. Também havia um terceiro grupo que tentou conciliar os dois primeiros. Foi este terceiro grupo que propôs uma série de emendas constitucionais chamada de Lei da Vida.

As pessoas aceitaram essa lei maluca, que é nada mais, nada menos do que fragmentar jovens problemáticos entre a idade de 13 aos 18. A lei protege as crianças até os 13, depois disso, se os pais acharem que essa criança não tem condição de se ajustar à sociedade, é só assinar o termo de fragmentação. Um aborto retroativo.
Ninguém sabe como acontece. Ninguém sabe como é feita. A colheita dos fragmentários é um ritual médico secreto que fica confinado às paredes da cada clínica de colheita da nação.
Mas as coisas não terminam aí. Existe ainda a Iniciativa da Cegonha. Há também crianças abandonadas e acolhidas nas chamadas Casas Estaduais. Para complicar mais as coisas, ainda existe as Crianças Dízimos. Pois é, a barbárie do sacrifício humano aqui tem o nome de dízimo.

Agora que eu falei um pouco sobre o contexto desse mundo distópico, vemos então conhecer os três protagonistas de Fragmentados: Connor, Risa e Lev.

Os três devem ser fragmentos, mas por motivos diferentes. Connor, o jovem problemático; Risa, a órfã de uma Casa Estadual; Lev, o dízimo. A vida dos três se cruza, coincidentemente na hora da fuga.

Connor e Risa sabem o que querem: fugir até completar 18 anos. Já Lev foi criado para se sacrificar. Ele acha que ser dízimo é a coisa certa a se fazer. Bom, pelo menos achava até o pastor mandá-lo fugir.


Bom, não vou falar mais, pois vou acabar contando além do que deviria.  Com já falei antes, Fragmentados tem uma narrativa atual e polêmica. Narrado em terceira pessoa, com o foco nos três personagens principais. Mas o narrador também focaliza a vida de outros personagens secundários, que são importantes na história.

Essa opção narrativa funcionou muito bem, pois podemos, por exemplo, acompanhar as questões religiosas por trás da vida do personagem Lev, quando o foco está na vida. 

É triste, das relações familiares dos fragmentados, nenhum apareceu para se colocar ao lado dos jovens. Por isso é tão revoltante pensar nesses pais. Como as pessoas passam a acreditar que é justo transplantar todas as partes de um jovem, vivo e saudável, sem lhe dar o direito de defesa.

Outro ponto muito importante da discussão é que, podemos ver que é tudo um grande vira. As clínicas de fragmentação/colheita são, na verdade, um lucrativo negocio. A tal da preocupação em torno da vida é de uma hipocrisia.
Você não pode mudar as leis antes de mudar a natureza humana. - Enfermeira Greta.
Você não pode mudar a natureza humana antes de mudar a lei. - Enfermeira Yvonne.

Neal Shusterman nos presenteia com uma narrativa com aspectos fluidos, pois o narrador não ambienta o leitor em relação época ou tempo dos fotos. Só sabemos que as ações se passam num futuro, onde houve evolução científica e tecnológica. Por exemplo, a transmissão de energia não ocorre mais por fios e cabos. 

O mundo distópico criado pelo autor, consegue nos prender porque é muito real, próximo do nosso. Além disso, temos a ciência como fonte de terror, a principal causa do medo e de discussão ética. Mas ao mesmo tempo, a gente ver que a ciência alcançou um patamar de desenvolvimentos, ao ponto de fazer transplante do cérebro e que isso é maravilhoso. 

Fragmentados é, sem dúvida, uma leitura empolgante. Com ótimas discussões em relação à ideologias, região e ciência. Além dos temas amizade, generosidade e amor.

Assista o Book thailer. É perturbador.

0 comentários:

Postar um comentário