Resenha || O Aroma da Sedução| Jéssica Anitelli | Madras Hot


O aroma da sedução

Jéssica Anitelli

Editora: Madras Hot
Número de Páginas: 334
Ano: 2015
Avaliação: ★★★
* Livro cedido em parceria com a Madras Hot.
Sinopse: Mariana é uma mulher linda e extrovertida, e apesar de fazer sucesso entre os homens, está longe de querer um compromisso sério. Uma má experiência no passado fechou o seu coração para relacionamentos, então faz de cada encontro que tem uma noite perfeita que não se repetirá. Esse esquema funciona bem, e ela se sente confortável assim. Pelo menos, era o que achava até que um admirador secreto entra em sua vida. Ele enxerga Mariana melhor que todos. Não vê só sua pele, sua beleza, sua sensualidade devoradora e dominante, vê, além de tudo e, sobretudo, uma mulher que precisa ser lapidada para o amor! Quanto um buquê de flores pode instigar uma mulher? E vários deles, podem enlouquecer? E se não estivermos falando só de flores, mas de um processo excitante e torturante de descoberta de sentimentos?
O Aroma da Sedução é um livro para +18. Quando a Madra Hot me enviou este livro eu fiquei com um pé atrás, confesso, achando que ele não iria me acrescentar. Mas eu tive boas surpresas.

O que mais me agradou em O aroma da sedução é que a autora aborda a vida sexual feminina sem preconceitos, sem amarras. As mulheres podem e devem fazer sexo quando elas querem e com quem elas querem.  Mulheres não são vadias por terem vários parceiros sexuais.

Aroma da sedução conhecemos a história Mariana, protagonista e narradora. Mariana é estudante de enfermagem, professora de inglês, com 24 anos, que divide o apartamento com a melhor amiga, Raquel.

Mariana é independente. Uma bela mulher de cabelos cacheados e olhos verdes, que vive intensamente sua vida sexual. Ela adora dar e sentir prazer, porém nunca sai mais de uma vez com o mesmo homem. 

Sua lista de parceiros é extensa. Uma noite de prazer, uma noite especial, que faz com que os homens sempre queiram repetir o sexo, mas Mari nunca cede.

O aroma da sedução não é somente sobre as transas de Mariana. Há outros temas e conflitos abordados. Um desses temas é sobre homens experientes versus garotas iniciando a vida sexual.

Marina iniciou a vida sexual jovem, aos 14 anos, com um homem mais velho. E quando ela achava que estava sendo descolada, à frente das garotas de sua idade, na verdade ela estava sendo usada para dar prazer a este homem mais velho. 

O problema é que Marina não sentia prazer. Ela fazia sexo só para agradar o cara. Dessa relação há ainda outro conflito extremamente doloroso para Marina. Este homem mais velho não é flor que se cheire.

A narrativa também explora a relação conflituosa de Mariana com a família. O único membro da família com que Marina se relaciona bem é o primo Bernardo. Este personagem participa de várias cenas na trama. É também par amoroso da Raquel.

Além de Bernardo, tem o personagem Leonardo. De Leo só vou dizer que ele entende tudo de sexo tântrico e que vai mudar completamente a vida de Mariana em relação ao sexo. Quando ela achava que sabia tudo sobre prazer, Leo mostrou que ainda havia um vasto mundo a ser explorado. Há ainda outros personagens de menor relevância, mas que movimentam a trama, como o melhor amigo gay Cauã.

O gênero hot não é meu preferido dentro da literatura. Não que eu não goste de cenas quentes ou tenha algum tabu em relação ao sexo. Não, não é nada disso. A minha crítica em relação aos livros que li desse gênero é em relação a falta de profundidade na narrativa. Minha crítica é em relação a personagens rasos, sem uma trama convincente.

Para vocês não falarem que eu estou de papo furado, vou dar um exemplo. Um dos meus livros preferido é Lavoura arcaica, de Raduan Nassar. Quem leu este livro sabe do que eu estou falando. Ah, não é um livro hot. Longe disso. Mas é um dos livros mais quentes e polêmicos que eu já li. A cena de masturbação, logo no inicio do livro, é de uma beleza que eu ainda não li em outro livro.

Mas voltando ao O aroma da sedução. O livro me surpreendeu por abordar a liberdade sexual da mulher. Ele me ganhou neste ponto. Leiam o trecho.

"O porteiro abriu o portão para mim e, ao passar pela guarita, ele comentou: - O seu namorado sabe que você anda recebendo flores e beijando outros caras por aí? Encarei-o indignada. Quem ele pensa que é para falar assim comigo e ainda por cima da minha vida? - Se você está falando do Leonardo, não, ele não é meu namorado. E desde quando a minha vida interessa a você? - Não interessa, mas sempre vejo a quantidade de homens com quem você sai e que frequentam o seu apartamento. Isso não é comum. - deu de ombros. Mas se fosse um homem no meu lugar isso seria comum, não é? Seu machista. [p. 165]
Talvez não tenha sido o mais adequado colocar um personagem porteiro para discutir um tema tão caro para nós, mulheres, o machismo. Pois há um estereótipo de que porteiros são por natureza fofoqueiros.

Bom, minha ressalva em relação ao livro fica para o final escolhido para protagonista. Meu lado subversivo gostaria que o final tivesse sido mais livre. Mas a autora optou por um desfecho mais romântico. Não que isso seja ruim, pois agradará ao leitor que gosta de finais mais adocicados. De minha parte, eu prefiro sempre os espíritos livres. 

Ainda gostaria de ressaltar o quanto a linguagem de O aroma da sedução é fluida. Em relação ao trabalho da Madras Hot só posso dizer que ficou excelente. Folhas amareladas, fonte num tamanho adequado para leitura. E a capa que desperta os sentidos e tem relação direta com a narrativa.

0 comentários:

Postar um comentário