Resenha || Eu vejo Kate | Cláudia Lemes | Editora Empíreo


Eu vejo Kate: o despertar de um Serial Killer

Cláudia Lemes

Gênero: Supense
Editora: Empíreo
Número de Páginas: 352
Ano: 2015
Avaliação: ★★★ ★★
* Livro cedido em parceria com a editora.
Sinopse: Há um ano, Blessfield, uma pacata cidade do interior da Flórida, enterrou 12 mulheres vítimas do violento e cruel serial killer Nathan Bardel. Ele foi julgado, condenado e morto. Mas antes que as feridas da cidade pudessem cicatrizar, um novo assassino em série surgiu. Mais violento. Mais cruel. Usando o mesmo método que seu antecessor. E ele tem uma obsessão: elaKate é uma escritora imersa na produção da biografia do assassino em série Nathan Bardel. Enquanto ela mergulha de cabeça na sombria vida do serial killer, ele próprio passa a acompanhá-la vivenciando as experiências conturbadas de sua biógrafa. À medida que se aprofunda nos mistérios de Bardel, Kate desperta outro assassino. Ela não sabe, mas sua vida corre perigo.

Blessfield nunca mais será a mesma! Nathan Bardel é um Serial Killer que escolhia a dedo suas vítimas, de modo a impressionar quem o conhecesse. Todas eram mulheres belas e que, de alguma forma, elas se sentiam atraídas por Bardel (segundo os depoimentos).

Kate Dwyer é a nossa protagonista, ou melhor, a escritora da vez. Ela sempre foi muito boa em escrever narrativas românticas, mas, por hora, ela não conseguia se deter em nenhum “final feliz”, já que nem mesmo a sua vida ia bem. Ela foi traída recentemente. Dale, o namorado, a trocou por uma garota mais nova. O pior de tudo isso é que ela sempre se entrega sexualmente, quando o ex bate à sua porta.

Ela tenta se esquivar um pouco da sua vida pessoal e, há algum tempo, vem estudando sobre a história de Bardel e como ele induzia as suas vitimas para o matadouro. Fascinada por esse absurdo, Kate resolve escrever uma biografia do Serial Killer mais famoso de Blessfield. A sua obsessão é tamanha, que ela chegou a montar uma parede com recortes de jornais, de todas as mulheres mortas por Nathan.


Kate está certa de que se estudar e pesquisar a fundo todo o caso de Bardel, ela poderá escrever não apenas uma biografia, mas compreender antes de tudo, o que tornou Nathan um homem frio, com uma mente tão perversa. Ela buscou pessoas, familiares e indicações de interessados para falar acerca do serial.

Ryan Owen é um agente especial do FBI, um dos melhores profilers do país. Responsável por acompanhar todos os detalhes do caso Bardel, até mesmo a sua morte. Houve muitas razões para ele ser afastado do caso, e ser abandonado por sua mulher e filho, é isso que ele teme e procura não comentar com as pessoas. A obsessão de Kate fez com eles cruzassem os caminhos, isso porque a mulher queria respostas para algumas incógnitas que até então não estavam solucionadas em sua cabeça.

Kate e Owen tem um certo envolvimento amoroso, ambos se sentem ligados pelo caso. Ele tenta ajudar Dwyer da melhor maneira possível, mas percebe que ela está indo longe demais. Kate é avisada pela editora para cancelar esse projeto, ela será bem paga para escrever outro livro, mas a seu envolvimento com Bardel já foi longe demais para ela parar de pesquisar por ali. Ela segue em frente com sua decisão.

As coisas começam a ficar complicadas quando a jovem recebe uma caixa misteriosa, com uma foto de uma mulher assassinada. Ela fora avisada para não continuar escrevendo o livro sobre o Serial Killer, se não sofreria as consequências. Em um surto, ela liga para Owen e pede a sua ajuda, ele acaba que dormindo no apartamento de Kate, mas em cômodos separados. A noite passa, e pela manhã eles são surpreendidos com o assassinato da vizinha de Kate. Ambos não confiam um no outro, já que não dormiram juntos!
"Eu temo as pessoas que se ajustam. Você sabe? O mundo é louco. Somos sete bilhões de pessoas construídas na mesma biologia, as mesmas necessidades básicas, somos feitos para ser uma comunidade e ainda assim, fazemos os outros passarem fome, estupramos, assassinamos e torturamos crianças por prazer. As pessoas que se ajustam à isso, que dormem tão bem à noite, os que são bem sucedidos em uma empresa, porque conseguem seguir as regras, mesmo que essas regras sejam doentes... Eu e você não somos os desajustados."
Para a minha surpresa, há um terceiro ponto de vista nessa estória toda. Nathan Bardel, ou melhor seu espirito, ou alma penada, acaba ressurgindo dos mortos aos saber que tem alguém obcecado pela sua história. Desse modo, a narrativa se torna intensa e interessantes, pois acompanhamos os pontos de vista de Kate, Bardel e Owen, intercalados ao decorrer dos capítulos.

Nathan não deixa de persuadir nem mesmo morto, em determinados momentos ele consegue manipular Kate com seus pensamentos e opiniões, chega a ser real, como se Dwyer estivesse possuída pelo espirito assassino. Por mais ódio que ele tivesse pelas mulheres, Bardel revela sua admiração por Kate, segundo ele ninguém compreendia tão bem a sua estória e os motivos que levaram ele a matar todas aquelas mulheres.


Como todo ser humano tem seu demônio e seu anjo, a parte sã de Kate é Owen, ele até entende no início o gosto por ela querer escrever narrativas assim, mas tudo tem um limite, e Kate não sabe como parar. Ele explica até mesmo o porque se afastou do caso, e o fato de ter sido abandonado pela família, tudo isso por conta do caso Bardel.

Eu vejo Kate foi um dos melhores livros que já li na vida! Claudia Lemes nos presenteia com um enredo forte, cheio de suspense e mistério que nos surpreende capitulo após capitulo. Antes da estória ser iniciada, ela nos relata os motivos que a levaram a escrever sobre Serial Killers, seus árduos anos de estudo e o fato dela não poupar ninguém de cenas catastróficas. A sua linguagem é forte, direta e clara. A autora vai direto ao ponto sem arrodeios, ao mesmo tempo que não entrega o jogo, dando uma previsão de como seria o final.

Ainda sim, estou arrebatada por essa narrativa, tanto pela transparência quanto pela riqueza nas descrições dos casos, que apenas criminologistas ou pessoas da área teriam credibilidade para narrar, ela sem dúvida teve excelência quanto à sua obra.

Eu vejo Kate é coberto de conflitos, do início ao fim, houve momentos em que senti sim pena de Bardel, por sua trágica infância, mas ainda sim não justificaria as suas atrocidades. Ao mesmo tempo, tive ódio de Kate por saber que ela se entregava sempre a Dale, em um piscar de olhos eles já estavam se agarrando, ela dando prazer a ele e no final ele ia embora.

Owen chega a ser passivo em determinados momentos, mas ele amadurece como personagem e faz com que Kate perceba nos problemas que se meteu. O que seria tarde demais... porque despertaram um novo serial killer, mas que repete os mesmos crimes que Bardel, e isso deixa o espirito do assassino furioso!

Tantas palavras não caberiam para descrever a intensidade que foi conhecer e lê essa obra magnifica, começando pela capa, que é muito atrativa. Não houve erros de diagramação ou buracos na trama, tudo esteve em sua perfeita ordem, e desse modo o livro é um dos meus favoritos.

Para aqueles que gostam de mergulhar em uma obra intensa, cheia de mistérios com cenas forte, uma linguagem clara e dinâmica esse é sim O livro!
"Nós somos humanos, ficamos abalados com o que vemos, e choramos em nossas camas, enquanto, ao mesmo tempo, somos viciados no sangue e terror do trabalho. Somos em parte serial killers de nós mesmos, quando se trata do que está acontecendo em nossas mentes."
Para adquirir o livro, acesse o site da Editora Empíreo

0 comentários:

Postar um comentário