Retrospectiva || Meia Dúzia de Melhores Leituras de 2015 | Por May Nascimento

O ano de 2015 foi um ano especial, pois me tornei resenhista aqui no blog, e assim pude compartilhar com vocês as minhas leituras. Estou adorando viver essa nova experiência! Recebi a difícil tarefa de escolher os melhores livros do ano de 2015 (APENAS 6!), estou até agora me sentindo culpada, achando que sempre caberia mais um haha. Nesse ano não fiz meta de leitura, e não consegui ler tantos livros como imaginei que leria. A vida acadêmica e a correria do dia-a-dia consomem muito, e por mais que a leitura seja um prazer, acabei por não conseguir superar o dilema tempo X leituras. Chega de enrolação né? Com vocês: Os Melhores do Ano da May...

Sombras Vivas (Cornelia Funke) – Um dos primeiros livros que li este ano, ele é o segundo volume da série Reckless, e sem dúvidas superou a leitura que fiz em 2014 do primeiro volume da série: ‘A Maldição da Pedra’. Resumidamente os dois primeiros livros tratam das aventuras de Jacob Reckless no mundo do espelho. Achei fantástico o contexto das narrativas, pois existe uma mistura entre mundo real, contos de fadas e muita fantasia. 
Cornelia Funke deixou o livro ainda mais lindo com as ilustrações...
Neste segundo volume o maior atrativo foi o fato de Jacob ter amadurecido mais, e além de muita aventura encontramos nele reflexões sobre a vida e um pouquinho de romance, pois Jacob e sua melhor amiga (a menina raposa ‘Fux’) começam a ter um envolvimento muito maior do que a amizade que tinham. Quando concluí a leitura fiquei feliz, mas chateada, pois ainda não há nem sinal do terceiro volume... De qualquer forma valeu muito a pena. 

A Invenção de Hugo Cabret (Brian Selznick) – Há muito tempo eu desejava esse livro, e em 2015 me dei ao luxo de comprá-lo. Não sei dizer o que me levou até ele e nem por que gostei tanto, foi algo inexplicável. O livro é MARAVILHOSO, todo ilustrado! Realizei a leitura dele em menos de 24 h. 

O que posso falar sobre a leitura é que o livro narra a história não tão feliz de Hugo Cabret, um pequeno órfão que após perder o pai vive dentro de um relógio numa estação de trem. A premissa é envolvente, com as ilustrações podemos ir imaginando o que está por vir, e assim a leitura se torna muito dinâmica. Ahhhh, e tem mais um atrativo: o livro fala de cinema e de literatura, inclusive a melhor amiga de Hugo, Isabelle é uma super leitora e vez ou outra cita o título de uma obra.  Muita lindeza pra um livro só! 

O Ladrão Do Tempo (John Boyne) Depois de ler ‘O Menino Do Pijama Listrado’ e ter me encantado com a sensibilidade de John Boyne, arrisquei na leitura de outras obras do autor. O Ladrão Do Tempo me trouxe vários atrativos: a história se passa na Inglaterra (Embora o personagem principal seja francês e viaje para outros países); a narrativa transita entre o passado e o presente do personagem; muitas Épocas Históricas são citadas. Além disso, simpatizei com Matthieu Zela, o protagonista que desafiou o tempo e ousou não envelhecer. A narrativa é envolvente, e como Fã do John Boyne, acrescentei O Ladrão Do Tempo como um dos melhores do ano.

Extraordinário (R.J Palácio) – Bom, não sei se consigo dizer tudo o que senti ao ler Extraordinário. Nunca tinha visto tanta delicadeza e sensibilidade em um livro como vi neste. Encantei-me com o Auggie e com a sua história, principalmente pelo fato dele não ser vítima de si, por ele enfrentar com humor e determinação não apenas a sua síndrome (que talvez fosse o menor dos problemas), mas as pessoas que teimam em julgar as aparências. O livro é uma lição de vida. 

A Bibliotecária De Auschwitz (Antonio G. Iturbe) – Sabe aquele livro que você compra só pela afinidade com o tema? Este foi um desses! O Holocausto, apesar de ter sido um momento histórico cruel para a humanidade, é um tema que muito me agrada na literatura. Então, quando vi o livro não pensei duas vezes. Só que não imaginava o que viria pela frente, baseado em fatos reais, o livro conta a história de Dita Adlerová, uma jovem judia que em meio ao ódio Nazista leva livros escondidos para as escolas nos campos de concentração, e com isso ganhou o cargo de bibliotecária. 

Imagina ai, o que um livro significa em meio a tanta tristeza e miséria... Foi isso que me encantou na personagem, a coragem e força de vontade de levar um mínimo de esperança que fosse às crianças e também aos adultos que ali estavam. Muitas lágrimas rolaram, o livro tem muitos personagens e conta um pouco de cada um deles, mas a história de Dita foi sem dúvidas a mais especial para mim.


Como Eu Era Antes De Você (Jojo Moyes) – Esse livro foi sem dúvidas o que eu precisava pra deixar o preconceito literário de lado. Antes dele, eu julgava os livros que tivessem uma premissa mais romântica, achava que não tinha paciência. Antes de qualquer coisa é bom enfatizar que esse não é apenas um livro com uma história de amor.  

Eu adorei a leitura, Gostei muito da Lou, e da sua personalidade, da sua maneira de ver o mundo. Também me envolvi muito com a história de amor dela e de Will. Percebi que perdi muito tempo julgando alguns livros, e depois da leitura, me senti mais leve, aberta para encarar, sem preconceito, outras leituras. Agora posso ver Como Eu Era Antes De Me Encantar Com A Jojo Moyes (Ou Lovers, se preferirem).

Ufaaa, que ano! Bem, essas foram as minhas leituras preferidas, para 2016 algumas promessas: Fazer uma meta de leitura, ultrapassar a meta e me divertir muito lendo! Feliz Ano Novo! Muitos livros na estante de todos nós haha. Beijos!

0 comentários:

Postar um comentário