Resenha || O lago negro | Juliana Daglio | Editora Arwen


O Lago Negro

Juliana Daglio

Gênero: Romance/ficção
Editora: Arwen
Número de Páginas: 368
Edição: 2010
Avaliação: ★★★★★
Favorito
* E-book cedido em parceria com a editora
Sinopse: Verônica é uma garota problemática marcada por um passado traumático do qual mal se lembra, mas que lhe tirou o direito à total sanidade. Ao se mudar para o interior, depois de passar no vestibular, ela se depara com o local perfeito para se inspirar e, finalmente, transformar seus personagens imaginários em um livro. Lagoana é uma cidade nebulosa, úmida, habitada por almas quietas e pouco amigáveis. Porém, o clima obscuro não despertará somente a criatividade, mas também acordará seus fantasmas mais profundos. Prestes a perder o controle sobre sua trama e sua mente, Verônica conhece um estrangeiro de sorriso cafajeste e olhos azuis e, desconfiada de suas intenções, ela guarda segredo quanto ao seu livro, mas não sabe que Liam também tem os seus. Verônica nem desconfia, mas eles podem ser a chave para os mistérios que a rondaram durante toda sua vida. Assim, o lago negro de sua imaginação será, definitivamente, o estopim para toda sua loucura emergir. O que será que ele esconde no fundo de suas águas escuras?

Esse é um daqueles livros que você tira o final de semana inteiro para ler e, ainda sim, várias leituras não seriam suficientes para entender como um escritor consegue nos pegar de jeito, a ponto de tirar toda a nossa sanidade!

Sim, caros leitores! O lago negro é o primeiro volume de uma série, escrito pela autora Juliana Daglio, lançado pela editora Arwen. Diferentemente de outras resenhas, esta eu começo elogiando a editora pela diagramação perfeita, pela escolha de capa (eu li em e-book), misturando o lado sombrio com a delicadeza da nossa protagonista Verônica Cattani.

Verônica é uma garota fechada, que ninguém entende os motivos que a levaram a agir da forma como ela age. Seu passado é cercado por acontecimentos que chocam! Ela perdeu a mãe e o pai. ficou um tempo em uma clinica psiquiátrica. Tudo isso nos faz entender o motivo que a levou se muda para uma pequena cidade de nome Lagoana.
"- Assim como somos o que absorvemos do mundo, também odiamos nos outros o que vemos de errado em nós mesmos (...)." [p. 90]
O único em que ela confiava a sua vida era Enzo, seu melhor amigo e namorado, que ajudou-a a superar os maiores desafios de sua vida, perda dos pais. Sempre determinada, Verônica não desiste de realizar o sonho de ser escritora, a mesma carreira de seu pai, a quem ela sempre devotou a sua vida.

Grandes mudanças acontecem na tentativa de deixar o passado e viver o presente. Há uma família de sobrenome Caprini, que comanda grande parte da cidade sendo donos de uma grande indústria. Somos apresentados ao ambiente hostil e macabro da dos Caprini. Confesso que fiquei com medo. E nesse aspecto, a Juliana tira qualquer leitor do sério, nos levando à loucura, tirando o pouco de sanidade que temos.

É incrível como há muito tempo não acompanhava um enredo que mistura diversos gêneros, como: dark fantasy, policial, ficção. Tudo envolto de um romance leve, que não chega a ser clichê e que suaviza o clima sombrio e misterioso da narrativa. O tempo todo sentimos esse clima sombrio e percebemos os detalhes do ambiente que não são cruciais para integrar as personagens.

A Verônica não entende o porquê de se sentir tão ligada àquela cidade. E então descobre que o Lago seria a sua maior ligação, mas não entende de início. Sabe o Enzo? Ele muda completamente! Um cara que era extremamente altruísta e companheiro, passa a ser um completo canalha por não conseguir continuar nessa batalha enfrentada por sua namorada e melhor amiga.

São muitas as novidades que acontecem na vida da garota: ela conhece a família Caprini, a qual recebe a garota como filha, hospedando-a em sua casa; há um cara misterioso que acaba consumindo os pensamentos de Verônica; amigos com os quais ela nunca imaginaria contar. Depois de tudo isso será que ela conseguirá desvendar o mistério do lago? E qual é o seu verdadeiro destino?
"- Então você tem que parar de explicar. As pessoas no mundo são, em sua grande maioria, um bando de idiotas convencidos de suas virtudes inúteis. Poucas pessoas param para pensar no outro, no que ele sente, pensa, ou na forma como enxerga as coisas. Você tem que aprender isso na teoria, pois na prática é comoapanhar repetidas vezes de uma mão invisível. Nunca sabe de onde vai vir o tapa." [p. 270]
Se você, caro leitor, procura reflexões fáceis nesse livro, esqueça! Qualquer tipo de sanidade é meramente degustativa. A Juliana consegue nos deixar loucos e insanos nessa leitura! Por ser uma narrativa completa, complexa e cheia de detalhes no cenário-ambiente é preciso muita atenção da nossa parte, para não ficarmos confusos no meio do caminho.

A Verônica sofre sim de problemas psicológicos causados pelo seu passado e presente, mas isso não tira a sua determinação de chegar aonde quer. Ao mesmo tempo que conhecemos sua vida, seu namorado e personagens secundários, acompanhamos o passo a passo para escrever o seu primeiro livro. É um presente ler um livro e conhecer outro dentro de uma só leitura.

Não há palavras que descrevam a minha indignação por achar que o casal Caprini seriam os vilões da estória, quando pensava que estava tudo resolvido, vinha um acontecimento e quebrava qualquer tipo de hipótese formada. É um dom escrever dessa forma e conseguir prender o leitor desse modo. Juliana, parabéns! Depois de ler O lago negro não sou a mesma pessoa.

Conseguimos montar todo o quebra-cabeça da obra e, ao final, ficamos na expectativa para a continuação do livro. Sou lenta para leitura com e-books, mas consegui terminar O lago negro em menos de dois dias. A recomendação é para os leitores dispostos a perder qualquer indicio de sanidade e se deixar levar pela loucura de O Lago Negro.

0 comentários:

Postar um comentário