Resenha || O que há de estranho em mim | Gayle Forman | Arqueiro


O que há de estranho em mim

Gayle Forman

Título original: Sisters in Sanity
Gênero: Jovem Adulto
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 224
Edição: 2016
Avaliação: ★★★★★
* Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse: Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.
"(...) eu não saí dos trilhos. Apenas escolhi trilhos diferentes. E é por isso que estou aqui." 


Britt é uma adolescente difícil. É integrante de uma banda de rock; tem algumas tatuagens; fica até tarde fora de casa e suas notas na escola estão cada vez piores. Uma garota difícil, porém não diferente de tantas outras com sua idade. Mas não é assim que seu pai pensa, nem sua madrasta. Eles a enviam para um internato chamado Red Rock. Na verdade, trancafiam Britt lá dentro. Seu diagnóstico? TDO (Transtorno desafiador opositivo), e nem ela sabe o que isso significa. Só sabe em uma coisa: ela nunca acabaria como a mãe, como o pai deve pensar.

O lugar não tem nada ou quase nada parecido com um internato. É uma prisão. Várias meninas trancadas ali pelos próprios pais, que não conseguiam ou queriam lidar com as diferenças das filhas. Meninas que são obrigadas a dedurar, xingar e agredir suas colegas para subir de nível; a empilhar um monte de pedras em um local chamado Pedreira; a fazer longas caminhadas sob o calor insuportável do deserto e, quando não seguem as regras, são mandadas para a solitária. Mas os pais não sabem disso. Os funcionários ali são cuidadosos demais para deixar a imundice à vista deles. 

Britt conhece outras meninas também inconformadas com a situação que se encontram: V., uma garota que pensa demais na morte; Cassie, que é bissexual; Bebe, tachada como piranha; e Martha, que está acima do peso. Juntas formam o Divinamente Fabuloso e Ultraexclusivo Clube das Malucas. Unidas com um propósito: saírem dali rápido, e, se possível, antes de enlouquecerem de vez naquele lugar. Um laço forte de amizade é construído. Red Rock não poderá detê-las. É isso que esperam... 
"É que a gente acha que a loucura e a sanidade ficam em lados opostos de um oceano, mas na verdade não passam de duas ilhas vizinhas." 
Narrado em primeira pessoa por Britt, O que há de estranho em mim é o primeiro romance de Gayle Forman, publicado em 2007. A autora fez muitas pesquisas e entrevistas com pessoas que tinham passado por situações semelhantes a das personagens, inclusive a internação em lugares parecidos com o Red Rock Academy, cenário (ficcional) de boa parte do livro.  


Red Rock é o contrário do que uma instituição para jovens deveria ser. Lá as garotas são hostilizadas por "profissionais" que não pensam em nada além de dinheiro; e que escondem mutretas que podem levá-los à prisão.

A saga das 5 garotas em busca da liberdade, tanto física quanto emocional e de expressão, me deixou vidrada do começo ao fim. Apesar do tema, a leitura possui um ritmo frenético e fica impossível largar antes de saber o que acontece com essas meninas, as quais tanto me apeguei durante a leitura. Lembrando que se trata de um Jovem Adulto, e a linguagem é apropriada ao público alvo. 

Todas as tristezas, humilhações e provações que as personagens passam me tocaram profundamente; e principalmente por saber que, infelizmente, muitas garotas ainda vivem assim: enclausuradas em si mesma pela opressão dos pais ou colegas; precisando esconder quem são de verdade para conviverem em harmonia com aqueles que deveriam amá-las incondicionalmente. 

A autora aborda muitas questões interessantes: sexualidade, relações familiares, amizade, liberdade de expressão, amor, respeito, identidade, e muitas outras. Quem já leu algo da autora pode encontrar pedacinhos  de seus outros livros nesse aqui também. Como um prefacio de tudo o que ela iria escrever a partir daqui. É maravilhoso. 

O final não deixa a desejar e nenhuma ponta fica solta; porém gostaria que o livro tivesse mais páginas, para não ter que me despedir tão rápido da Britt e suas amigas. 

Encontrei alguns erros de revisão durante a leitura, o que me incomodou um pouco. Fora isso, tudo está em ordem. A diagramação é simples e confortável e a parte gráfica está muito bonita. Essa capa é lindíssima e retrata bem o clima do livro. Estou apaixonada por ela. 

Mesmo se não curtirem o gênero, deem uma chance a O Que Há de Estranho Em Mim, um livro dedicado pela própria autora a todas as garotas incompreendidas :)

0 comentários:

Postar um comentário