Resenha || Sandman: Noites sem Fim | Neil Gaiman | Vertigo (DC Comics)


Sandman: Noites sem Fim

Neil Gaiman

Título original: The Sandman - endless nights
Gênero: Ficção
Editora: Vertigo - Panini Comics
Número de Páginas: 164
Edição: 2014
Avaliação: ★★★★★
Sinopse: Antes de se tornar um autor best-seller do New York Times, Neil Gaiman revolucionou a indústria dos quadrinhos com “Sandman”. A mais aclamada e premiada obra em quadrinhos da última década é uma mescla rica de mitologia moderna e fantasia sombria, à qual ficção contemporânea, drama histórico e lendas são perfeitamente intrincados. A série criou novos padrões para os quadrinhos e seus dez volumes são vistos como um dos marcos do meio. SANDMAN: NOITES SEM FIM é um deleite tanto para os fãs de Neil Gaiman quanto para novos leitores. Seja assombrado, agridoce, erótico ou digno de pesadelos, os sete contos desta edição – um para cada um dos Perpétuos – revelam estranhos segredos e surpreendentes verdades. Cada história é ilustrada por um grande quadrinista: P. Craig Russell, Milo Manara, Bill Sienkiewicz, Miguelanxo Prado, Barron Storey, Glenn Fabry e Frank Quitely formam essa seleção de artistas! Neil Gaiman sempre prometeu que voltaria ao mundo de SANDMAN, e, agora, ao lado de grandes artistas internacionais, ele finalmente retorna aos personagens que fizeram sua fama para nos brindar com novos sonhos ou pesadelos.
Já se imaginou em algumas situações que, inevitavelmente, estivesse cara a cara com Morte, Desejo, Sonho, Desespero, Delírio, Destruição e Destino? Situação bem confusa né!? Bem, esse é o cenário encontrado na Graphic Novel Sandman: Noites sem Fim de Neil Gaiman


Só esclarecendo, Sandman é uma série de HQ’s. Mas esta Graphic Novel é uma edição independente. Então, quem ainda não conhece a série (assim como eu) pode ler tranquilamente e ter total compreensão do universo dos Sete Perpétuos.

Esclarecendo com as palavras do próprio Neil:
“Os Perpétuos não são Deuses. Pois Deuses deixam de existir quando as pessoas deixam de acreditar neles; mas, enquanto existir gente para viver e sonhar e destruir, para desejar ou se desesperar ou maravilhar ou perder a cabeça, para viver a vida e afetar uns aos outros, os Perpétuos estarão lá, desempenhando suas funções sem se importarem nem um pouco se você acredita ou não”.


Cada capítulo do livro foi marcado pela presença de um dos Perpétuos, alguns bem cativantes, outros que confundem bastante, mas cada um mostrando a sua essência com imagens e histórias pra lá de envolventes. Eles aparecem nessa ordem: Morte; Desejo; Sonho; Desespero; Delirium; Destruição e Destino.

Para mim, o melhor capítulo foi o do Sonho, que é o Sandman, nesse capítulo todos os perpétuos aparecem e interagem, possibilitando que conheçamos mais de cada um pelo ponto de vista de algum dos irmãos. Outro capítulo que chamou a minha atenção foi o do (a) desejo, justamente por esse perpétuo ter essa dupla identidade.


"E ela está pensando em todas as coisas que nunca foi e decidindo friamente que o mais sensato agora seria enlouquecer ou virar nada".   

De modo geral, posso dizer que gostei muito da leitura, o livro é muito lindo e as ilustrações de cada capítulo são de encher os olhos! Eu poderia simplesmente não escrever nada e apenas deixar as imagens falarem.
Havia coisas maravilhosas dentro dela. Quem diria? Quem poderia imaginar? Arte de Bill Sienkiewicz 

Apesar de ser uma graphic novel, e tudo ser bem rápido, cada capítulo permitiu que eu retirasse alguma mensagem.   E, mais uma vez consegui romper o velho preconceito literário e estou disposta a ler mais HQ’s e Graphic Novels daqui pra frente ... Inclusive já vou colocar na lista a série de Sandman! 
"Mas eu acho que, assim como as marionetes, cada um de nós é movido por fios invisíveis até que chega a noite, e somos todos descartados"

Sobre o Neil e a capacidade dele de criar e de nos fazer imaginar acho que não preciso nem falar né? Cinco estrelas é pouco para a beleza que eu encontrei. Essa foi a dica de hoje, espero que curtam e boa leitura! 

0 comentários:

Postar um comentário