Resenha || Uma Ana ia pelo caminho, a outra Ana vinha e A mala e o menino.


Em contos

Milla Saouza

Conto: Uma Ana ai pelo caminho, a outra Ana vinha
Conto: A mala e o menino
Número de Páginas: 80
Avaliação: ★★★★
* Livro cedido em parceria com a autora
Sinopse: uma coletânea de 18 contos em 80 páginas

Essa resenha foi publicada anteriormente em Manhê, conta outra vez. Acesse Aqui

Hoje eu quero falar de dois contos que eu li recentemente da autora Milla Souza. São eles: Uma Ana ia pelo caminho, a outra Ana vinha e A mala e o menino, do livro infantil "Em contos", que traz uma coletânea de 18 contos infantis, em 80 páginas.

Uma ANA ia pelo caminho, a outra ANA vinha é uma história bem curtinha que tem duas Anas, com gostos e personalidades diferentes. 

 "A Ana arrumadinha adorava poesia e livros, colecionava-os na estante. A Ana que voltava, sabe-se lá de onde, era craque no videogame e estourava bolas de chiclete."

É um conto que trata do respeito ao diferente. Quem disse que todas as meninas têm que se vestir e se comportar como princesa?! E quem disse que não pode?! Respeito aos gostos e as personalidades de cada pessoa tem que vir primeiro. Liberdade de ser e de se expressar sempre.

Nesse conto a autora trata de um tema importante e atual de forma simples, direta, mas ao mesmo tempo sem deixar de manusear as palavras para dar expressividade de encanto, ludicidade.

Eu gostei muito mesmo. Essa será uma leitura que farei para o Benjamim e o Miguel. Recomendo para todos os pais que se preocupam com uma educação dos seus filhos pautada na diversidade e no respeito ao próximo.

O segundo conto, A Mala é o menino, é mais longo e traz o personagem Juquinha.
"Juquinha era diminutivo de Juca, e Juca era diminutivo de Júlio Carlos. o engraçado disso é que ele não se chamava Júlio Carlos como o avô dele e nem Juca como o pai, menos ainda Juquinha. Era Thiago o nome dele.

Ao ler A mala é o menino logo fiz relação com A bolsa Amarela de Lygia Bojunga (resenha Aqui). Em A bolsa Amarela, Raquel, a menina personagem, também guarda coisas dentro de uma bolsa amarela. Já Juquinha guarda em uma mala.

"Os adultos sempre perguntava o que tinha dentro da mala, e o Juquinha sempre respondia que dentro dela havia a maior riqueza do mundo".

A mala é o menino guarda relação com o livro famoso de Lygia. E isso é um elogio, pois a autora Milla consegue imprimir sua própria forma de abordar um tema delicado: como falar sobre a morte na infância.

Devo dizer que também me apaixonei pelo conto. Ele tem um lirismo. Trabalha com a fantasia e com o real de uma forma muito consciente.

Ele entrou na natação, fez aula de desenho e foi dispensado do ano escolar porque vez por outra saía do ar e, quando perguntado, ele respondia:
—Eu estava no mundo de lá!
Isso assustava os adultos e as outras crianças."

Não vou falar da parte de capa, fonte e diagramação, pois eu li em Word os contos. Só quero mesmo ressaltar que os dois contos entraram para a seleção de leituras dos meus gêmeos.

Por fim, quero deixar as redes sociais da autora. Site: Milla Souza | Página Milla Souza Escritora


0 comentários:

Postar um comentário