Resenha || Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar | Sarah McLean | Editora Arqueiro

Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar

Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar

Sarah Mclean

Título original:Nine rules to break when romancing a rake
Gênero: Romance de época
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 384
Edição: 2016
Avaliação: ★★★★
* Livro cedido em parceria com a editora 
Sinopse: A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres. E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato. Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres. Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente.
"... guardava pensamentos profundos e certamente impróprios para uma dama a respeito de heróis fictícios... Suspirou de novo, dessa vez com tristeza. Tinha total consciência de como era boba, sonhando com os protagonistas de seus livros. Era um hábito terrível, e que ela escondia havia tempo demais."

Calpúrnia Hartwell é uma romântica incurável. Desde muito jovem sonhava em encontrar seu príncipe e viver feliz ao lado do grande amor; esperava um homem à altura dos personagens de seus romances favoritos, os quais devora no conforto da biblioteca da casa Hartwell, longe das críticas de sua mãe. Agora, com 28 anos e já considerada uma solteirona, Callie já não tem mais esperanças de se casar. Nos bailes, poucas são as vezes em que é chamada para dançar... E ela sabe o porquê. Com alguns quilos a mais, seios fartos (e fora de moda) e um rosto "comum", Caupúrnia Hartwell não é exatamente uma beldade, e sabe disso. 

Após ser considerada uma pessoa passiva, o que a deixa realmente triste, Callie resolve reverter seu quadro. Tendo uma reputação invejável, ela acha que já está na hora de ter suas próprias aventuras. O que poderia perder com isso? 
Escreve então uma lista com nove desejos que fariam sua mãe e toda alta-roda londrina arrancar os cabelos:
  1. Beijar alguém... apaixonadamente
  2. Fumar charuto e beber wísque
  3. Montar com as pernas abertas
  4. Esgrimir 
  5. Assistir a um duelo
  6. Disparar uma pistola
  7. Jogar (em um clube para cavalheiros)
  8. Dançar todas as danças de um baile 
  9. Ser considerada linda. Pelo menos uma vez.
Determinada, ela vai riscar seu primeiro item da lista; mas, quando se vê em frente a casa do marquês Gabriel St. John, por quem é apaixonada desde seus 18 anos, a coragem ameaça lhe faltar. O que o libertino mais cobiçado de Londres acharia dela? Deixando a razão de lado, ela vai em busca do que queria.
Gabriel é a personificação da sensualidade, e Callie nunca esteve tão apaixonada. 

Mas será que aquele homem de classe tão elevada e com predileção para as beldades olharia para ela do jeito que desejava? A amaria também?

O que ela não sabe é que o marquês, há muitos anos atrás, se proibiu amar. Sua mãe abandonou sua família quando ele e seu irmão gêmeo, Nicholas, eram crianças; deixando seu pai devastado, consumido pela tristeza, falecendo pouco depois. Para ele, o amor não existe. 
Poderia aquela corajosa e desajuízada dama mudar isso?

Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar é o primeiro volume da serie Os Números do Amor, de Sarah McLean, que vem conquistando os fãs de romances de época e é recomendada por Julia Quinn, autora da série Os Bridgertons. 
Com uma narrativa leve, espirituosa e envolvente, o livro nos prende de tal forma que é quase impossível largar antes do fim. Acompanhar as aventuras e desventuras de Callie em busca de si mesma foi, ao mesmo tempo, engraçado e angustiante.

Narrado em terceira pessoa, temos o ponto de vista de ambos os personagens principais, Calpúrnia e Gabriel, o marquês por quem ela é apaixonada. 
O relacionamento dos dois começa um pouco atribulado, mas logo evoluem para uma amizade em busca de um bem em comum, e, aos poucos, vão se rendendo a atração que sentem um pelo outro. 

Sarah McLean não economiza nas cenas hot, sendo essas bem desenvolvidas e sensuais na medida certa. Posso dizer que a autora tem grande talento ao escrever cenas assim. 

"_Não sou o tipo de moça que os cavalheiros perseguem. Qualquer um que tenha olhos pode ver isso. _Tenho olhos. E não vejo nada disso."

Lady Calpúrnia, nossa doce Callie, como gosta de ser chamada, passa por transformações notáveis durante o enredo. Contida e preocupada com sua reputação, no começo a vemos seguir todas as regras impostas pela sociedade londrina, em 1823. Porém, conforme vai quebrando essas mesmas regras, ela toma conhecimento de outra Calpúrnia: uma mulher forte, inteligente e bonita que não se conforma com pouco; e que sente coisas que nunca imaginara ser possível. Ela encontra a si mesma.

O romance foi muito bem montado, e apesar de ter me irritado um pouco com toda a reverência de Callie com o marquês, e a indiferença dele em alguns momentos, ambos me conquistaram. 

Não consegui deixar de perceber certas semelhanças desse livro com O Duque e Eu, de Julia Quinn. Algumas cenas, principalmente as do final, foram muito parecidas com as que Sarah criou para esse. Não me incomodei de fato com isso, pois sabemos que clichês estão presentes em todo e qualquer romance de época. 

Sobre a edição, não encontrei erros de revisão durante a leitura, e a capa representa bem nossa personagem; até o vestido é parecido com o que ela veste em uma das cenas mais legais do livro! 

Uma leitura divertidíssima, Nove Regras me conquistou do começo ao fim. Sarah McLean já ganhou uma fã. 
Quem curte o gênero e não se incomoda com cenas apimentadas vai adorar esse aqui! Estou maluca pelos próximos!

0 comentários:

Postar um comentário