Resenha || Mar de Rosas | Nora Roberts | Arqueiro


Mar de Rosas

Mar de Rosas

Nora Roberts

Título original:  Bed of Roses
Gênero: Romance
Editora: Arqueiro 
Número de Páginas: 288
Edição: 2014
Avaliação: ★★★★
Sinopse: Emma Grant é a decoradora da Votos, empresa de organização de casamentos que fundou com suas três melhores amigas de infância – Mac, Parker e Laurel. Ela passa os dias cercada de flores, imersa em seu aroma, criando e montando arranjos e buquês. Criada em uma família tradicional e muito unida, Emma cresceu ouvindo a história de amor dos pais. Não é de espantar que tenha se tornado uma romântica inveterada, cultivando um sonho desde menina: dançar no jardim, sob a luz do luar, com seu verdadeiro amor. 
Os pais de Jack se separaram quando ele era garoto, e isso lhe causou um trauma muito profundo. Ele se tornou um homem bonito e popular entre as mulheres, porém incapaz de assumir um compromisso. 
Quando Emma e suas três amigas fundaram a Votos, foi Jack, o melhor amigo do irmão de Parker, quem cuidou de toda a reforma para transformar a propriedade no melhor espaço para casamentos do estado. 

"Sabia exatamente que tipo de amor queria, um amor que se infiltra nos ossos, se enraíza no coração e floresce no corpo. Queria um amor que durasse para sempre (...), queria casa, família, brigas, conforto, sexo, tudo."

  Emmaline Grant é uma romântica incurável, e não quer nada menos que um amor para a vida inteira, um amor lindo e verdadeiro, como os de seus pais. Seu maior sonho? Ser beijada sob a luz do luar pelo homem de sua vida; homem esse que ainda não apareceu, mas para ela isso é questão de tempo.

Decoradora da Votos, Emma tem um jeito especial com as flores, e consegue criar arranjos perfeitos e únicos para cada evento. Trabalhar com as 3 melhores amigas em algo que ama tanto a faz muitíssimo feliz, mesmo quando as amigas teimam em se meter na quantidade de encontros, pretendentes e ex namorados de Emma. Que culpa ela tem de não ter encontrado seu príncipe? O jeito é continuar procurando... 

Voltando de uma festa noturna, a bateria de seu carro morre, e quem lhe salva é Jack Cooke, arquiteto e amigo de infância do quarteto, quase um irmão para Delaney, irmão de Parker. Então, por quê eles de repente se sentem tão atraídos um pelo outro? Por quê Jack, de uma hora para outra, prestou atenção nela, e ela nele? Acontece que, em segredo, já nutriam um sentimento que vem da adolescência. Agora, como lidar? 

Jack, um homem que não gosta de compromisso sério; Emma, uma romântica assumida que quer o pacote completo: casar, ter filhos e um "juntos para sempre".

Em Mar de Rosas, Nora Roberts cria um verdadeiro romance no estilo "conto de fadas contemporâneo", com passagens muito divertidas e personagens bem construídos, além de explorar muito bem os desafios e o dia a dia da profissão de Emma, como decoradora. Flores, muitas flores! E toques de clichê, claro. O livro me prendeu do inicio ao fim.

Esse é o segundo livro da série Quarteto de Noivas, onda cada um conta a história de amor de uma personagem diferente. O primeiro volume, Álbum de Casamento (resenha aqui) nos apresentou a Mac, fotógrafa da Votos, empresa especializada em casamentos. 
"Para Emma, as flores eram a alma de um casamento. Fossem elegantes ou alegres, elaboradas ou simples, elas eram o romance."
Neste livro, a autora dá um destaque ainda maior para a empresa e seu crescimento e popularidade, e também para a profissão da personagem, além de desenvolver as personagens do 3º e 4º livro, Laurel e Parker, o que achei importantíssimo. 

O romance aqui acontece rapidamente, mas foi bonito acompanhar o amadurecimento da relação e as questões de cada um, principalmente ver que Emma não deixa de acreditar por um só minuto em seus sonhos, e vê sempre o lado bom das coisas e das pessoas (o que irrita suas amigas e pode irritar o leitor um pouquinho). Uma personagem muito cativante e verdadeira. Jack também foi muito bem construído, e é um personagem bem humorado. 

Gostei um pouco mais desse que do primeiro, mas mantive a nota de 4 estrelas, pois esperava um final melhor desenvolvido, único ponto que realmente chegou a me incomodar, mas nada realmente sério. 


“Acho que o amor nunca está errado – começou Parker. ― Seja ele passageiro ou eterno.”
Por fim, deixo aqui mais uma indicação de um romance fofo, uma leitura despretensiosa que pode ser feita em um único dia. Logo lerei o terceiro livro, Bem-Casados, então aguardem resenha.

0 comentários:

Postar um comentário