Resenha || Segundo a Lei da Arma | José Casado Alberto | Chiado Editora


Segundo a Lei da Arma 

 

José Casado Alberto

Gênero: Ficção
Editora: Chiado Editora
Número de Páginas: 206
Edição: 2015
Avaliação: ★★★★
* Livro cedido em parceria com o autor
Sinopse:
O Corvo sobrevoava o deserto do Novo México. Atraído pelo chamamento do sangue, chegou a uma solitária montanha pintada em tons alaranjados. Abaixo, três figuras: um fora da lei, um ranger e um caçador de recompensas— três representantes do melhor e do pior que a espécie humana tem para oferecer— dançavam uma dança tão antiga como a própria existência: a dança da morte. Texas Red. Filho perdido do povo Navajo e criminoso sanguinário, produto das tragédias que assolaram o seu povo. Olhos-Azuis. Personificação estóica do velho oeste e da ideia de que as leis apenas existem porque homens poderosos asseguram a sua existência. Forasteiro de Negro. Sádico e desprovido de quaisquer escrúpulos. Ele cospe na face das leis da sociedade e obedece apenas ao seu depravado e rígido código moral. No final do dia, estes três homens demonstrarão que quando o homem despe as ilusões efémeras da sociedade apenas uma lei sobrevive— A Lei da Arma.
Olá leitores! Como estão? A dica de hoje é do exemplar que recebi a alguns dias: Segundo a Lei da Arma, trabalho de estreia do nosso mais novo parceiro José Casado Alberto.
“No fim do dia, só os vivos comem e os mortos, esses sortudos, serão comidos”.

Segundo a lei da Arma é o típico livro de faroeste onde a violência é a marca registrada e a única lei que as pessoas conhecem. Neste livro temos um contato mais próximo com John Redding, também conhecido com Texas Red, um típico criminoso sanguinário.

O personagem nos mostra a amargura de quem sentiu na pele o peso de uma arma que matou grande parte da sua tribo. Sim, Red é um índio e sofre com os preconceitos existentes com os ‘pele vermelha’. Mas não pensem que Red fica pelos cantos choramingando, ele cura seu sofrimento com muito sangue e raiva.


Além de Texas Red, conhecemos mais dois personagens: Olhos-Azuis e Forasteiro de Negro. Homens misteriosos que estão em busca de uma mesma pessoa: e adivinhem só quem é o sortudo? Texas Red. A única diferença entre tal busca é a finalidade. O primeiro é um homem da lei e queria que Red acertasse com a justiça os seus crimes; já o segundo, desejava ganhar uma recompensa com a captura do criminoso.
“Existe apenas uma lei. Uma regra inviolável, independente de quaisquer outros mandamentos d’origem humana ou divina, que rege todos os homens e mulheres que caminham a terra. A lei da Arma”.
Estes dois personagens deram ao livro frieza e repugnância de sobra, pois matavam pessoas como se estivessem bebendo água, entre os dois, consegui odiar mais o Forasteiro de Negro, não tenho palavras para expressar minha raiva!

Então vamos lá as minhas impressões gerais...

O livro de José Casado é bem curtinho, e embora o idioma seja o português de Portugal a leitura flui perfeitamente. Senti muita falta de conhecer melhor os personagens. Não gosto de muitas descrições, mas acho que elas devem existir para que façamos uma ideia mínima do mundo em que estamos adentrando e de quem encontramos nele.

A leitura foi bem diferente. Geralmente, opto por livros que não contenham muitas cenas de violência, mas neste foi inevitável e digamos que suportável. Me senti interessada pelo enredo que o autor propôs e por esta razão, foi uma boa leitura.

Quanto a diagramação e design do livro, tudo está maravilhoso! Sou suspeita pra falar dos livros da Chiado Editora, pois eles sempre fazem um excelente trabalho.

Minha nota para a obra é 4, pelas razões que já destaquei acima. A leitura é indicada para quem gosta de muita ação. Boa leitura!  
"No fim das contas, para um corvo, toda a Terra era uma mesa e o jantar estava servido". 

0 comentários:

Postar um comentário