Resenha || A Garota Italiana | Lucinda Riley | Editora Arqueiro

A Garota Italiana

A Garota Italiana

Lucinda Riley

Título original: The Italian Girl
Gênero: Romance, drama
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 464
Edição: 2016
Avaliação: ★★★
* Livros cedidos em parceria com a editora 
Sinopse: Aos onze anos de idade, Rosanna Menici conhece o cantor Roberto Rossini, uma estrela em ascensão no mundo da ópera italiana - e o homem que mudaria sua vida para sempre. Incentivada - e apaixonada - por ele, Rosanna passa a se dedicar ao estudo do canto lírico, torna-se cantora profissional, e logo os dois se encontram nas salas de concerto mais famosas do mundo, dividindo não só o palco como também o mesmo destino. Com seu talento incomum para descrever ambientes e evocar sensações e sentimentos universais, Lucinda Riley nos leva a acompanhar a trajetória de Rosanna, desde os bairros pobres de Nápoles até os teatros mais glamourosos do planeta, trazendo à tona, com sua prosa inconfundível, as alegrias, tristezas, frustrações, decepções e redenções do amor.
Rosanna Menici tem 11 anos e vive com a família em uma pequena cidade da Itália, sempre à sombra da irmã mais velha, Carlotta, uma moça linda e exuberante que recebe sempre a atenção de todos. Mas em uma noite de comemoração todas as atenções vão para a pequena e desengonçada Rosanna, quando essa abre a boca para cantar Ave Maria para sua pequena platéia.

Impressionado com a performance daquela menina, Roberto Rossini  acredita ter descoberto um pequeno tesouro para o mundo da ópera, sendo ele mesmo uma estrela em ascensão. A bela voz de Rosanna só precisaria ser treinada, lapidada, e logo logo o mundo seria pequeno para o seu talento.

Encantada com as palavras de Roberto e com toda atenção que recebeu, naquela noite a pequena Rosanna  escreve em seu diário: Um dia eu vou me casar com Roberto Rossini.

"Vamos esquecer as coisas ruins e recordar apenas as boas, pois somos humanos, e é assim que conseguimos viver." p. 462
Alguns anos depois Rosanna vê todos os seus sonhos se tornando realidade. Graças ao seu irmão Luca, grande incentivador do seu talento, e de seu professor de canto, agora a jovem está cantando na maior companhia de ópera da Itália, como sempre sonhou. 

Além de sua voz, a beleza de Rosanna também aflorou, agora uma moça muito bonita que chama atenção por onde passa. Roberto Rossini, assim que reconhece a menina que "descobriu" naquela mulher feita, investe seu charme e autoconfiança para conquistá-la. 

Mas será que Rosanna irá se deixar levar pelas palavras de Roberto, que tem uma fama terrível com as mulheres? Ela prometeu que não cairia em suas garras, mas acredita que seu amor por ele, que começou aos 11 anos, só cresce, e nunca terá fim.

A Garota Italiana é um drama que possui uma premissa interessante, porém não foi tão bem trabalhado em se tratando de romance e personagens.


O livro começa em 1966 e vai até 1996, e é nesse meio tempo que acompanhamos o desenvolver da narrativa. Lucinda Riley tem uma escrita envolvente e descritiva na medida certa. Aqui ela aborda a ópera, e descreve tão bem as apresentações, as emoções dos personagens ao cantar, que o leitor se vê totalmente envolto. Mas, infelizmente, isso não se repete no romance entre os protagonistas.

"O amor é uma espécie de vício. É preciso suportar um período de abstinência e não se punir por de vez em quando pensar que nunca vai passar." p. 300
O relacionamento de Rosanna e Roberto é do tipo obsessivo, e foi justamente o que a autora pretendeu. O desenvolvimento em minha opinião foi muito raso, desinteressante, e os personagens foram infantis demais em diversos momentos, se contradizendo a todo instante. Discordei deles em quase todas as suas escolhas, o que me fez desenvolver certa apatia por ambos, e isso infelizmente se estendeu para a narrativa.

Em contrapartida, os personagens secundários e as tramas em segundo plano foram muito cativantes, um verdadeiro incentivo para continuar a leitura.
O final não decepciona, e a autora consegue conectar todos os fios soltos, criando um bom desfecho.

A edição está muito bonita, a começar por essa capa maravilhosa. Encontrei poucos erros de revisão, e nada que atrapalhasse a leitura.

Como puderam perceber, minha experiência com esse livro não foi muito boa, mas isso não quer dizer que seja ruim; portanto, se gostou da premissa, não deixe de conferir. Apesar dos pesares, não me arrependo de ter lido.


0 comentários:

Postar um comentário