Resenha || Batman - Terra Um | Geoff Johns e Gary Frank | DC Comics/ Panini Books


Batman – Terra Um

Geoff Johns

Gênero: HQ
Editora: DC Comics
Número de Páginas: 148
Edição: 2013
Avaliação: ★★★★★
Sinopse:
Batman não é um herói. Ele é só um homem. Falível, vulnerável e furioso. Em uma Gotham City onde amigos e inimigos são indistinguíveis, o caminho de Bruce Wayne para se tornar o Cavaleiro das Trevas está mais cheio de obstáculos do que nunca. Obcecado em punir os verdadeiros assassinos de seus pais, e o policial corrupto que os deixou em liberdade, a sede de vingança de Wayne alimenta sua cruzada e ninguém, nem mesmo Alfred, pode detê-lo. Seguindo a tradição do best seller do New York Times, Superman: Terra Um, o roteirista Geoff Johns e o artista Gary Frank recontam a mitologia do Homem- Morcego e criam um cenário onde o que é familiar não é necessariamente o que se espera!
"Há dois tipos de pessoas em Gotham. Os predadores e as presas". 


Batman – Terra Um escrito por Geoff Johns, com arte de Gary Frank é mais uma HQ que nos mostra o nascimento do nosso tão amado – Batman. Nesta versão, temos a oportunidade de saber o que aconteceu antes da morte dos pais de Bruce Wayne – Thomas Wayne e Martha Arkham.

Thomas, candidato à prefeitura de Gotham e preferido para o cargo, vinha sofrendo algumas ameaças, mas nem por isso deixou de curtir momentos agradáveis com a esposa e o filho. Na noite em que foi assassinado junto com a esposa, eles haviam ido ao cinema e depois de uma estranha queda de energia e de sair as pressas pela porta dos fundos do cinema, o filho presenciou o pior momento de sua vida.

Desde então, Bruce nunca aceitou a morte dos pais, e com o passar do tempo foi percebendo algumas estranhezas no caso, como por exemplo, o porquê de o isqueiro preferido do pai ter ido parar com o policial que apareceu no local do crime segundos depois dos assassinatos, e que hoje, fora da polícia, era o braço direito de Oswald Cobblepot (O Pinguim).

Um fato muito importante a ser ressaltado aqui é a maior participação do mordomo Alfred - bem, aqui ele é bem mais que isso – ele assume o papel de guardião de Bruce, e depois ele o ajuda na criação do homem morcego, mostrando-o que para ser um herói de verdade ele precisa ir muito além da fantasia.

Nesta HQ o grande X da questão é a descoberta dos assassinos dos pais de Bruce. E em meio a tudo isso o Batman acaba enfrentando outros vilões e ganhando fama: Afinal, quem é  homem morcego que anda na noite de Gotham combatendo o crime?

Não poderia deixar de dar a minha opinião sobre mais essa aventura que vivi junto com o Cavaleiro das Trevas. Foi uma leitura eletrizante do início ao fim, e sem dúvidas uma experiência bem positiva para quem queria conhecer mais sobre o universo de Gotham City. O Batman que conheci aqui me pareceu bem mais centrado e seguro. Além disso, a cumplicidade que vemos entre ele e Alfred é incrível!

Por fim, indico essa leitura para quem pretende conhecer o início da trajetória de  heróis como o Batman, e não sabe por onde começar. Sei que existem muitas versões que prometem contar o início de tudo (eu mesma li uma semelhante recentemente Resenha aqui), porém, vale a pena ver versões diferentes, e essa versão sem dúvidas já tem um espaço especial na lista de favoritos! Boa leitura.  
" - Precisamos criar um Batman melhor. 

- Mais do que isso. 

- Precisamos criar uma lenda". 

0 comentários:

Postar um comentário