Resenha || Depois daquela montanha | Charles Martin | Arqueiro


Depois daquela montanha

Charles Martin

Gênero: Romance
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 297
Edição: 2016
Avaliação: ★★★★★
* Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse:
O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo. Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida. Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada. Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado? À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas. Publicado em mais de dez países, Depois Daquela Montanha chegará às telas de cinema em 2017, com Kate Winslet (de Titanic) e Idris Elba (de Mandela) escalados para os papéis principais de uma história que vai reafirmar sua crença na vida e no poder do amor.

Algumas leituras nos marcam de tal forma que nem sabemos ao certo como começar a escrever sobre elas. Ou como traduzir os devaneios literários por meio da escrita. Depois daquela montanha é um livro um lançado recente pela Editora Arqueiro. Escrito por Charles Martin, um romance com uma carga dramática que desencadear sentimentos como: dor e desespero.
"Você estava certa. Certa o tempo todo. Sempre há esperança. Sempre."

O enredo traz a história de Ben e Ashley, ambos bem sucedidos. Ele é um médico renomado e voltava de uma conferência, ossos do ofício; ela é uma jornalista exigente e, estava prestes a se casar, em pouco menos de 48 horas.Os dois embarcam no avião rumo aos seus destinos, mas são impedidos por uma forte tempestade, já que enfrentavam um inverno rigoroso. O piloto do avião os informa que o voo foi cancelado e teriam que passar a noite na cidade de  Salt Lake City (EUA). Não tendo como optar, eles voltam ao aeroporto e tentam encontrar uma alternativa.

A jornalista entra em desespero porque não havia nenhum voo para o seu destino. O Dr. Ben Penny, por outro lado sentia falta do seu lar, mas sabia que naquele momento não seria possível voltar. Tudo está prestes a mudar quando ambos tomam a escolha de pegar um voo particular, mesmo com o tempo fechado e a névoa cobrindo os céus eles seguem com essa decisão. Os dois só não contavam que algo terrível aconteceria... 

Quando o pior é uma possibilidade, é bom mantê-lo em perspectiva. Sem que a gente se esconda dele. Sem fugir. Ele pode acontecer. E, se e quando acontecer, é melhor ter pensado nele de antemão. Desse jeito, a pessoa não é esmigalhada quando o pior se torna realidade.

Ao abrir os olhos, Ben não entende o que estava acontecendo! Tenta movimentar o seu corpo, mas não consegue. Ele sabia que tinha quebrado ou fraturado alguns dos seus ossos da costela. Na tentativa de se levantar, ele acaba encontrando o corpo de Ash e entrou em desespero por pensar que ela havia morrido, não perde tempo e verifica o seu pulso. Lágrimas escorrem dos seus olhos nesse momento. O que aconteceu com Ashley? É certo que eles estão a mais de 3.500 metros de altura. Sem ajuda alguma, em uma montanha cujo frio toma conta, o desespero é inevitável.

Esse livro me fez abrir os olhos para as escolhas momentâneas que fazemos quando algo em nossa vida não sai como o esperado. Eles tiveram a chance de aguardar no hotel, mas o calor do momento, a saudade e a sensação de não chegar a tempo no casamento os fizeram recorrer as possibilidades mais fáceis. Claro, não é toda vez que isso acontece. Mas já imaginou se o destino prega uma "peça" dessa?

O Ben teve sorte por ser médico e conhecedor da sua anatomia corporal, mas nem isso o fez escapar das dores e do frio lancinante. É uma situação que não tem como prevê ou mesmo medir o terror causado pelos impulsos cerebrais. O fato é: será possível sobreviver em uma situação como essa?

E o que falar sobre a Ashley? Ela sobreviveu ou morreu? É triste pensar que em menos de 48 horas ela estava prestes a realizar o maior sonho de sua vida e ser impedida pelo destino ou seria pela sua escolha?!

Este é um livro que fala sobre escolhas e consequências, que são inevitáveis. E a cada minuto que Ben passava naquela montanha era um sopro a menos de sua vida. A obra de Martin nos faz refletir sobre como pensar e repensar nas nossas atitudes e, que nem tudo o que acontece é obra do acaso, mas fruto de nossas próprias decisões. Isso é bem definido durante os capítulos. O autor traz questionamentos para que o próprio leitor possa responder e nos encaminhar para o desfecho.

Toda a ambientação ganha um clima frio e tenso. Deu para sentir o gelo cortante na pele, mesmo não estando presente fisicamente. Não ter ajuda ou mesmo não conseguir ninguém para auxiliar me fez chorar por algumas horas. Seria possível continuar a ter fé em sobreviver? Passando fome ou mesmo nem água para beber. Resta a você conhecer a obra para entender o que estou tratando.

Esperar por alguém faz isso. Transforma minutos em horas, horas em dias e dias em vidas.

A capa e a diagramação são simples, mas a verdade sobre elas nos chocam quando realizamos a leitura do livro. Não é qualquer obra que sabe dosar simplicidade e estrago! E isso a Arqueiro fez muito bem. Aliás, o autor está de parabéns por criar uma ambientação e personagens quase reais. Ao final da leitura, me perguntei: "-Tem certeza Martin que essa não é uma história real?". E, por mais duro que seja a leitura desse livro, não me causou ressaca alguma, ao contrário, pediria mais! (o tipo de leitor que gosta de sofrer e refletir rsrs). 

É quase impossível não recomendar essa obra para todos os casais, leitores e apaixonados por tramas que tenham semelhança com acontecimentos reais. Não diria que algo assim não acontece na vida real, basta pesquisar. Casos como esse ou piores chegam a acontecem e, não tratamos nem de saber o testemunho de pessoas que passaram por isso. E, por fim, revelo a minha gratidão ao autor por abrir os meus olhos e mostrar que o destino pode pregar peças, mas as escolhas que faço determinam as consequências.
Melhor quote:
Paus e pedras podem quebrar ossos, mas, se você quiser ferir alguém… bem fundo, use palavras.

0 comentários:

Postar um comentário