Resenha || Infinita Highway: Uma carona com os Engenheiros do Hawaii | Alexandre Lucchese | Editora Belas- Letras


Infinita Highway: Uma carona com os Engenheiros do Hawaii

Alexandre Lucchese

Gênero: Biografia
Editora: Belas-Letras
Número de Páginas: 328
Edição: 2016
Avaliação: ★★★★★
* Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse:
Era pra ter durado uma noite só. Era pra ter sido somente uma banda de abertura. Era pra ter outro nome. Não era pra ser um trio. Eram várias variáveis. Graças a essa sucessão de fatos estranhos, quando não ter plano é o melhor plano, nasceu uma das maiores bandas do rock brasileiro: Engenheiros do Hawaii. Uma história cheia de lances improváveis que o jornalista Alexandre Lucchese conta nesta biografia, depois de ter entrevistado mais de uma centena de pessoas ligadas à banda, inclusive Humberto Gessinger, Carlos Maltz e Augusto Licks, o trio responsável pela fase de maior sucesso, que acabou se desfazendo anos mais tarde em meio a brigas e processos judiciais. Embarque na infinita highway para ver como nada do que foi planejado para a viagem deu certo, mas, nesse caso, ter dado tudo errado não poderia ter sido o mais certo.
"Mais do que uma ilha, os Engenheiros do Hawaii eram um arquipélago separado do meio musical do centro do país". 
Por trás de toda grande banda existe uma história - nem sempre tão conhecida quanto a banda - na realidade, o que vemos, ouvimos e sentimos, geralmente são rostos, vozes e letras, e isso já é um grande passo, desde que essa banda acrescente algo à vida de quem a segue. 

Porém, conhecer o que há por trás do que vemos, ouvimos e sentimos é algo surreal! E é nesse ritmo que conversaremos sobre os Engenheiros do Hawaii, banda de grande sucesso dos anos 80 e 90, que inspirou o trabalho do Alexandre Lucchese em Infinita Highway: Uma carona com os Engenheiros do Hawaii. E então, bora lá viajar por essa highway? 

Nesse livro Alexandre Lucchese nos leva a Porto Alegre de 1985, mostrando como se deu o início dessa banda tão singular que até hoje mantém fãs espalhados por todo o Brasil.  

Tudo teve início em 1985, quando um grupo de jovens da UFRGS resolveu levar um pouco de música para a universidade. Unidos pelo curso de Arquitetura e por amigos em comum, Humberto Gessinger, Carlos Maltz e Marcelo Pitz formaram  uma banda que duraria apenas uma noite. Mas, nem tudo saiu como o esperado. 

Os jovens músicos começaram a tocar em barzinhos, e em outros eventos universitários, até que começaram a fazer shows de abertura para outras bandas em cidades vizinhas. De início, ninguém esperava, nem mesmo os próprios integrantes da banda, que daria para viver de música, mas, em menos de um ano depois da tímida estréia, os Engenheiros começaram a acreditar que o sonho de uma noite duraria muitos anos. Quando notaram, já não abriam shows para bandas principais, pois eram eles próprios "A banda". E assim, de repente, nasciam os Engenheiros do Hawaii

"A gente realmente achava que a banda acabaria. Foi por isso que ousamos tanto". 

Além de conhecer a história da banda, somos levados a conhecer um pouco mais de cada um dos Engenheiros: suas origens, personalidades e diferenças nos fazem entender um pouco do que foram os Engenheiros do Hawaii para além dos palcos, e como cada um desses integrantes compôs a personalidade da banda. 

Vemos também o depoimento de fãs, que deram a quem lê o livro aquela identificação, de loucuras que fazemos quando curtimos o trabalho de um artistas. E isso foi muito importante, afinal, o que seria de uma banda sem seus fãs? Toda essa teia de histórias e vivências vão unindo os pontos. 

Um fato bem curioso é a identidade dos Engenheiros, sem jamais se permitirem comparar, os jovens gaúchos não se consideravam artistas da música regional gaúcha, nem tampouco uma banda do rock nacional, como as que faziam sucesso na época - Legião Urbana, Paralamas e Capital Inicial. Por essas razões, eles sempre receberam a fama de metidos, e consequentemente, atraíram muitas críticas. 

"Muita gente não conseguia entender qual era a deles. [...] O excêntrico trio não fazia questão alguma de explicar". 

Como toda banda os Engenheiros também passaram por altos e baixos: muitos conflitos internos e com outros artistas marcaram a história da banda. Esses conflitos resultaram na saída de alguns integrantes e na chegada de novos. Mas, os Engenheiros seguiam na highway causando impacto com suas letras e som diferenciados, e convenhamos, esses foram os responsáveis pelo sucesso que perdura até os dias atuais.  

O livro foi um presente para os fãs dos Engenheiros. Desde o título, também título de uma das canções mais populares da banda, até a diagramação, cheia de engrenagens (símbolo da Engenharia e consequentemente da banda). E ainda, trechos de música na abertura de cada capítulo. Tudo pensado minimamente. 

Ler esse livro foi uma experiência muito boa! Já conhecia muito da banda, e pude conhecer ainda mais. Ter noção do antes, do durante e do depois do Engenheiros e dos seus integrantes só me fez gostar e admirar mais a banda. 

Não poderia deixar de elogiar o Alexandre. Que trabalho lindo! Todo o livro é de uma delicadeza sem tamanho, onde sentimos a cada página o cuidado e o carinho dedicado. 

Finalmente, deixo o convite para quem ainda não conheceu o trabalho dos Engenheiros a conhecer o som e a história daqueles que passaram por essa banda. Boa leitura! 


0 comentários:

Postar um comentário