Resenha|| As cordas mágicas

                                                 
Título: As cordas mágicas
Autor: Micth Albom
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Ano: 2016

 Avaliação:★★★★★
*Livro cedido em parceria com a editora


Sinopse: Francisco Presto nasceu numa pequena cidade da Espanha em plena guerra civil. Com a infância marcada por tragédias, Frankie se torna pupilo de um professor de música cego, que se dedica a lhe ensinar tudo o que sabe.
Ao completar 9 anos, ele foge para os Estados Unidos carregando consigo apenas seus bens mais preciosos: um violão e seis cordas mágicas.
Com um talento fora do comum para tocar e cantar, Frankie rapidamente alcança o estrelato e influencia o cenário musical do século XX, apresentando-se ao lado de nomes consagrados como Elvis Presley e Little Richards.


Quando pequena eu era apaixonada por música. No grupo da igreja, eu ficava encantada com todos os que sabiam tocar instrumentos, principalmente violão. Ao chegar na adolescência, tinha a mais completa certeza de que iria me dedicar a música, e aprender a tocar teclado, violão e flauta, pois o som que ecoava desses instrumentos sempre despertaram boas sensações em mim. Aprendi, não todos, mas aprendi a tocar teclado. Das poucas vezes que tentei com o violão fracassava e isso me tirava a paciência. Chorei, por vários meses. Mas entendi que não nasci para tocá-lo, e sim para apreciá-lo. 

"Você me acha afetada? Às vezes sou. Também sou meiga e tranquilizadora, dissonante e irada, difícil e simples, calmante como areia a escorrer e perfurante como uma alfinetada. Sou a Música."

Me recordei dessa breve lembrança ao realizar a leitura do livro As cordas mágicas, de Mitch Albom. A cada palavra lida e frases colocadas no sintagma foram aplaudidas de pé, por mim, com esse autor. Até não conhecia as suas obras, como também sua escrita. Receio que ele mereça uma ênfase maior que outros autores pelo mundo a fora, pois esse livro merece ser lido para sensibilizar cada leitor que tenha contato com ele. 

O enredo conta a história de Francisco de Asís Pascual Presto, que antes mesmo de nascer já vivia em uma época conturbada, marcada por uma guerra civil, que assolava o seu país. Ele nasceu em Villareal, cidade localizada na Espanha. São muitos os detalhes a serem percebidos na obra, um deles é a paixão de Francisco pela música. 


Desde criança a música o salvava dos seus piores momentos, esse amor foi aos poucos ganhando forma pelas mãos desse futuro artista, que nem imaginava que faria tão grande sucesso. O menino foi criado por um homem chamado Baffa Rubio, que percebia o talento nato de Francisco. Ao passo que tinha receio de que quando adulto ele não viesse a ter um emprego descente, o colocou em aulas de violão para que assim desenvolvesse as suas habilidades. 


Um árduo trabalho começara. Por anos Francisco teve aulas com El maestro, um antigo homem, que Baffa admirava e via tocar em uma taverna por algumas noites. Sua admiração se deu porque o instrutor do menino não enxergava, e isso o fazia ter esperança de que seu “filho” teria um futuro. 

Um bom músico sabe que não basta conhecer as notas e acordes. É preciso conhecer os grandes nomes e compositores de melodias, ritmos e compassos que fazem a música ser algo tão surreal para o ser humano. Com El maestro, o jovem aprendeu os grandes nomes da música. Os anos de estudo trouxeram o respeito pela música e habilidade de tocar violão como ninguém. 

Francisco precisou sair do seu país, aos nove anos de idade. Ao passo que crescia e viajava por lugares, ele conhecia grandes compositores, cantores até ficar conhecido como Frankie Presto, como era chamado nos EUA. Nesse tempo adquiriu habilidades maiores como compor músicas, dançar e cantar. Um gênio nato que escondia nos dedos a mágica do toque e timbre perfeito para tocar qualquer coração, disposto a entrar no embalo da canção. 

Seu sucesso crescia ano após ano. Participou de programas, foi entrevistado, estampou capas de revista e vendeu milhões de discos. Como a maioria dos artistas, teve uma vida pessoal turbulenta e um fim triste. É assim que o livro se inicia, a narradora conta com detalhes o funeral de um grande artista que sequer existiu, mas que chega a ser real. É interessante perceber o teor de realidade na obra, pois Mitch pesquisou a fundo os grandes nomes da música que embalaram diversas épocas, e que ao decorrer do livro são citados como conhecidos de Frankie. 

Através da música nós conhecemos o passado talentoso de Frankie, como também as consequências da fama. A leitura nos sensibiliza do início ao fim. Os capítulos não seguem uma linha cronológica da vida de Francisco, mas isso não dificulta nenhum pouco conhecer a sua biografia, sim, a obra se tornou a biografia de um artista que chega a ser real. O autor escreve com tanta perfeição e sensibilidade, que cada palavra do livro compõe uma única música perfeita: As cordas mágicas. 

Há momentos que somos puxados para o passado de Frankie Presto, como também acompanhamos o seu funeral no presente. Há toques de ficção no livro: as cordas do seu violão ficam azuis, mas deixo essa explicação com a leitura convidativa da obra. 

Para os que procuram reflexão, sensibilidade, autoconhecimento como também conhecer a vida de um grande talento, que nem sequer existiu, mas ganhou vida e fama nas mãos de Mitch Albom é um livro mais que recomendado. 

As páginas e diagramação ganham um toque de ternura e musicalidade quando compreendemos o destino traçado para o Frankie Presto. O cuidado que a editora arqueiro teve com a obra foi tão grande, que podemos conhecer no Spotfy as músicas lançadas pelo protagonista do livro. A leitura despertou na minha pessoa o desejo de aprender a tocar violão, mesmo que pareça difícil, o próprio músico nos lembra sempre que é necessária persistência.

"Eu tenho o poder de fazer você recordar-se das coisas. Absorvo suas memórias; quando me ouve, você revive as lembranças. Uma primeira dança. Um casamento. A canção que tocava quando você recebeu uma grande notícia. Nenhum outro talento proporciona uma trilha sonora para a sua vida. Sou a Música. Marco o tempo."

0 comentários:

Postar um comentário