Resenha || Dezoito de Escorpião | Alexey Dodsworth | Editora Draco


Dezoito de Escorpião

Alexey Dodsworth

Gênero: Ficção Científica
Editora: Draco
Número de Páginas: 323
Edição: 2016
Avaliação: ★★★★

Comprar: Amazon, Saraiva
Comprar com desconto: Cupom válido

Sinopse: Analisar os sistemas estelares pode ser bem arriscado. Dezoito de Escorpião, identificada como uma estrela gêmea do nosso Sol, é uma descoberta astronômica sem precedentes. Contudo, tal revelação põe em risco o maior segredo da Terra: Muhipu, uma comunidade secreta no coração da selva, protegida por tribos indígenas ancestrais, guardando experiências para além do conhecimento comum: a tentativa de contato com superinteligências cósmicas. 
Leitores amantes de ficção científica, vocês precisam ler esse livro. É literatura nacional da melhor qualidade. É um livro com uma narrativa consistente e adulta. Esse vai pra minha lista do melhores do ano, com certeza.

Em Dezoito de Escorpião o tempo não é linear, a narrativa se alterna em os anos de 1929 a 2070. Esse tipo de escolha estrutural me agrada muito, pois força o leitor a fazer relações, a se concentrar mais na leitura. E todos os pontos/fatos são muito bem amarrados. No inicio os fatos parece não terem relação entre si, mas tudo se encaixa no final. E o que é mais legal, o autor mescla fatos reais com ficção. Isso deixa o leitor com aquela sensação de: será que tudo o que sei é realmente a verdade?


Pois é, em Dezoito de escorpião tudo tem relação com a descoberta de uma estrela, Dezoito de escorpião, que também é conhecida como HR6060. Fato real: 18 Scorpii realmente exite. E foi um astrônomo brasileiro que descobriu que 18 Scorpii é gêmea do nosso sol.

O livro é divido em três parte. Na primeira parte, o foco é a descoberta astronômica, ao mesmo tempo em que vamos conhecendo os personagem. É nessa parte que ficamos sabendo que a maioria dos personagens sofrem de Hipersensibilidade Eletromagnética, doença que causa dores de cabeça constante e surto violentos, que podem ser perigosos tanto para quem está doente quanto para as pessoas próximas. O problema é que essa doença quase sempre é confundida com esquizofrenia. Ou como possessões demoníacas.

O personagem principal se chama Arthur Coimbra , um jovem estudante de História da USP. Arthur sofre constantemente de enxaqueca e piora muito quando ele fica exposto à cidade grande. Devido a isso, Arthur nunca se afastava do Campus da universidade, por ser um ambiente verde, que o acalmava.

A vida de Arthur muda completamente quando ele aceita um convite, do doutor Ravi Chandrasekhar, um homem muito estranho, dica se de passagem, para viver em uma comunidade isolada no meio de uma florestas. Nessa comunidade, vivem outras pessoas que sofre com o mesmo problema de Arthur. E é aí que os personagens contrais passam a conviver no mesmo espaço, são eles: Laura Boccardo, uma portalegrense que sofreu abusos sexuais; Martin Luther King dos Santos, negro e ex-detento da Fundação Casa; e Lionel, um norte-americano de poucas palavras.

Acontece que Arthur sempre teve um pé atrás com o doutor Ravi Chandrasekhar. E mesmo adorando viver na comunidade, Arthur nunca deixou de ter curiosidade para tentar descobrir algumas coisas que o incomodava. Para viver na Vila Muhipu era preciso seguir algumas regras, como, por exemplo, nunca sair à noite.

Eu já disse o quanto essa leitura foi agradável, mas vou repetir. Alexey Dodsworth tem uma escrita muito inteligente. Ele manuseia muito bem os fatos reais e ficcionais de forma que tudo fica interligado. Os elementos científicos são todos plausíveis.  

Graça a obstinação de Arthur, segredos foram revelados. Eu gosto do Arthur, mas um personagem que me causa arrepios é mesmo Lionel. 

Um ponto que me agradou muito é o fato de que o autor trabalha com a questão de vida inteligente alienígena de um ponto de vista mais real, como o fato de haver vida unicelulares.
"Gustavo não era lá muito otimista no que tange à busca por vida inteligente alienígena. Sempre fora, contudo, simpático à teoria do universo biofílico: a vida, ainda que em manifestações unicelulares, deveria ser comum em outros cantos do universo." 
Dezoito de escorpião, além de abordar a questão: estamos sozinhos no universo?, também traz outros temas como, por exemplo, a necessidade de controlar o caos, o imprevisível.

Leia, se ainda não leu, e depois me fala o que achou.


0 comentários:

Postar um comentário