Resenha || Luz em Nevoeiro | Iuri Müller | Editora Belas - Letras


Luz em Nevoeiro

Iuri Müller

Gênero: Contos
Editora: Belas-Letras
Número de Páginas: 158
Edição: 2016
Avaliação: ★★★★
* Livro cedido em parceria com a editora
Sinopse:
“Luz em nevoeiro”, primeiro livro de ficção de Iuri Müller, autor também da série de reportagens “Estilhaços de Rodolfo Walsh” (2012), abriga doze contos que, mesmo localizados em diferentes latitudes, constroem um determinado espaço narrativo: o das cidades algo nebulosas em que se movem homens e mulheres com um anseio, uma busca ou uma dúvida na caminhada, nos passos que enfrentam o desencontro. Contos que, segundo Luiz Antonio de Assis Brasil, transformam em estranho o cotidiano: “começam mansos, como quem vai apenas contar um causo, mas, no decorrer das linhas, o conflito surge e se adensa e, quase sempre, traz uma epifania”.


Luz em Nevoeiro de Iuri Müller apresenta uma coletânea com 12 contos, cada um deles mostra pessoas comuns mergulhadas em suas rotinas e em suas melancolias, bem como em suas esperanças.

Quando começamos a leitura achamos que cada conto será bom, mas ao fim temos a certeza de que cada um deles nos trouxe uma paz, uma aproximação com os personagens, justamente por que passamos por situações muito parecidas com as deles.

“Os que vivem sozinhos padecem isso, invariavelmente, estamos todos um pouco frágeis e, portanto mais sozinhos em determinados dias e nem sempre escapamos do incômodo que chega”. 
Dentre os contos lidos, gostaria de destacar dois deles, que foram os meus preferidos: Luz Amarela Sobre a Cidade e Avenida Salgado Filho.

Em Luz Amarela Sobre a Cidade conhecemos uma moça que está à espera do seu parceiro, ou de qualquer sinal seu: uma mensagem, uma ligação, qualquer coisa que a fará se sentir menos sozinha e deprimida e que a faça se sentir mais amada. Nesse meio termo, enquanto espera por alguém que aparentemente não chegará, ela reflete bastante sobre a solidão que está sentindo, e sobre a solidão que toma conta das pessoas ao seu redor, até mesmo das que estão acompanhadas de muitas pessoas.



Avenida Salgado Filho nos apresenta Sabrina uma jovem que trabalha e que tem muitos sonhos, mas, o principal é um apartamento, que ela vê de longe e que está muito distante da sua realidade, dia após dia ela imagina como seria sua vida se aquele imóvel pertencesse a ela. E em Sabrina, podemos ver quantos sonhos são reprimidos – pelas condições financeiras, pela rotina – e muitas vezes até deixados de lado.

“A cidade sucumbia na tarde, que por sua vez estava como que parada no tempo”. 
Cada conto desse livro trouxe uma mensagem especial, personagens que passam por situações bem parecidas, mas que as encaram de maneiras diferentes e que trazem uma mesma reflexão: o que estamos fazendo da nossa vida? Passamos por ruas todos os dias e nem ao menos olhamos os detalhes; esbarramos em pessoas que como nós, tem sonhos, problemas e nem ao menos olhamos em seus olhos.



A leitura foi muito boa, li aos poucos, um ou dois contos por dia e isso me possibilitou parar para refletir sobre os personagens e sobre o que eles diziam de mim. O gênero – contos – também facilitou para que eu gostasse do livro, e a escrita de Iuri é tão linda, e tão envolvente que não tinha como não gostar. A edição está bem simples, porém, transmite uma beleza sem tamanho.
“Na verdade, tudo já funcionava exatamente assim, e apenas pensávamos mais em outras coisas e menos em nós mesmos e em nossas dúvidas e inseguranças”. 
Por fim, gostaria de indicar esse livro para quem gosta de leituras mais rápidas, e que nem por isso deixam de ser intensas. E também, para quem deseja ler mais livros de literatura nacional, então eis aí a oportunidade! Espero que leiam e gostem.  Boa leitura!

0 comentários:

Postar um comentário